Pelas costas

Costumava dizer que não tinha medos. Nunca fui uma criança medrosa. Enquanto meu irmão morria de medo do escuro, eu me divertia tentando assustá-lo, de todas as maneiras. Mas isso não faz de mim um corajoso. Há demônios muito fortes que enfrento dia após dia, e às vezes demoro a encará-los. Mesmo assim, quando alguém me perguntava do que eu tinha medo, eu simplesmente não sabia o que dizer. Até ouvir de uma amiga um sonho que ela teve comigo.
Não é a primeira vez que alguém sonha com minha morte, eu já me acostumei com isso. Já tive mortes trágicas e outras até muito engraçadas em alguns sonhos que me relataram. Dizem que isso quer dizer saúde, muitos anos de vida e tantas explicações supersticiosas, mas este mexeu comigo. No sonho, eu morria esfaqueado pelas costas. Então descobri que meu medo não é um mero medo da morte.
Há uma metáfora, esfaquear pelas costas simboliza traição. Apesar de haver um receio natural sobre ter minha confiança traída por alguém, meu medo maior não é este. É morrer esfaqueado pelas costas. Não apenas literalmente. É morrer sem poder reagir, sem uma mínima chance de defesa. Não é nenhuma novidade o caos em que vivemos. O noticiário dos últimos anos transbordam mortes banais, vidas tiradas covardemente. E isso só me faz estar cada vez mais alerta. Eu me sinto mais forte do que poderia ser. Como se fosse o suficiente, assim, sendo a prova de balas. Ando olhando para os lados. Se antes podia dizer que andava meio desligado, hoje pouca coisa desvia minha atenção. E a cada ano as tragédias ficamos menos impressionados diante de cenas tão aterrorizantes.
Existe uma linha que separa o morrer do não viver. Esta pode ser tênue ou não, depende da maneira como cada um leva sua vida. E eu sinto que ainda não vivi o bastante para definir isso. Sinto que falta uma bagagem, como dizem os mais velhos, mesmo com a arrogância que não permite confessar isso o tempo todo. Quando desperdiço algumas tardes brincando com o tédio ou em alguns momentos em que vivo intensamente, acabo esquecendo do valor da vida. Como se eu soubesse exatamente, querendo mensurar. Só me resta encarar. Abstraindo ou lapidando o que vier pela frente. E evocar o Poetinha: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.
Anúncios

9 pensamentos sobre “Pelas costas

  1. Acho que é comum sentir falta de uma bagagem quando pensamos no morrer. Foram nos ensinando de tempos em tempos que só saberemos o quanto vivemos se ao morrer soubermos o tamanho d anossa bagagem. O que ninguém conta é que até chegar lá, na morte, nós nunca saberemos de fato disso. Beijos

  2. eu tbm não tenho medo de morrer, acho que deve ser falta de apego a algo por aqui. deve ser bem ruim morrer sem poder reagir, mas como se isso fosse mudar algo. você vai morrer uma hora ou outra.

  3. eu hein… acabei de postar uma coisa sinistra e leio seu comentário, venho aqui pra lhe dizer que não deves me esquecer e leio mais um post bonito e meio triste… não que morrer seja triste, mas a perda sempre é… enfim bjin e não me deixe! rs

  4. Engraçado, você citou a "traição" na metáfora de ser esfaqueado pelas costas.Eu nunca sonhei em ser esfaqueado pelas costas, mas traição é algo que acompanha vida de um modo geral, sobretudo nas relações amorosas.Não falo em traição o lance de levar chifres. Há formas tão ou mais contundentes de traição.A traição aos sentimentos, por exemplo. Você dedicar toda sua emoção e o melhor de si para um sentimento e ver que no caminho inverso os valores aplicados são outros.Seja pelo desprezo, seja pelo excesso.Acho que vivo sendo esfaqueado pelas costas.Mas os quelóides das cicatrizes são um sinal claro que não dou a cara a tapa, mas as costas às facas.Até o dia que os quelóides não permitirem mais que uma faca penetre em minhas costas e eu possa viver em paz.

  5. Dizem que O sonho com morte pode significar que se quer terminar algo definitivamente.Mas acredito mesmo que existem vários tipos de morte e a pior delas não é a física propriamente dita…Acho que quando paramos de sonhar, paramos de viver.Viver intensamente é sempre o melhor remédio…Como minha mãe sempre diz: Ninguém morre de véspera…Beijoooooooooo Ale

  6. Dizem que não é bom pensar na morte mas apenas nas realizações, tipo, um balanço todo final de dia. Se pensar demais pira, viu? "Pensar enlouquece" (rs*) Beijus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s