Ao espelho

Onde estão meus acertos, meus erros

Meus fracassos, meus medos

Medo do fracasso, desejos

O que é destino, menino

Que será fatalidade

Que nesta cidade

Me permito viver?

Que será do espelho

Esse imenso vazio

Desse rosto sombrio

Vazio como o tempo

Que deixei que roubassem

Se a voz da razão se calasse

Será que a emoção tão sem classe

Me permitiria sorrir outra vez?

Se meu coração se calasse

Se a razão manifestasse

Que meu único medo

é de não saber viver

Anúncios

Um pensamento sobre “Ao espelho

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s